quinta-feira, 31 de julho de 2014

Kit Kat time

Pausa para retemperar!

Boas Férias a todos e obrigada por estarem aí!

terça-feira, 29 de julho de 2014

Fun Parque São João



"O ARBORISMO é uma atividade para toda a família, que consiste na transposição de obstáculos entre plataformas fixadas nas copas das árvores. Nestes percursos em altura existem jogos pensados para tornar a experiência ainda mais fascinante, tais como pontes suspensas, cordas, redes e saltos de Tarzan. Cada percurso termina sempre num slide."


Estas são as palavras utilizadas pelo Fun Parque São João,  para definir, aquilo que eu entendo como uma das melhores experiências que até hoje, pude proporcionar ao Martim.

Não muito longe daqui fica o Fun Parque São João, um espaço de aventura destinado a proporcionar a toda a gente actividades desportivas ligadas á natureza. O espaço é fantástico, repleto de verde, e com uma proximidade á praia fantástica (praias de São João na Caparica).

São várias actividades ao dispor dos visitantes entre as quais a que nos fez visitá-los o arborismo, mas também insufláveis, splatmaster (paintball para os mais novos) e paintball.

E é precisamente do arborismo que posso falar, dado que foi a actividade que o Martim escolheu. 

Ultrapassada a altura mínima, começa a aventura

Preparativos, sempre com vista á segurança

Estudou bem a lição "a roldana não pode sujar-se com areia"

Preparado para dar inicio á aventura, primeiro passo FORMAÇÃO

FORMAÇÃO- Roldana, fita e cabo...conceitos básicos


Papá com muita atenção

E de seguida, a experiência, o aumento da confiança e a diversão... Deixo-vos o relato visual...


















segunda-feira, 28 de julho de 2014

Adeus, até...

5ª feira foi a tão aguardada festa de final de ano lectivo.


Começou com a demonstração das aulas de música, e rendi-me ao 1º DÓ! E nós a julgarmos que não aprendia nada, olhamos em frente e vemos um filho mega aplicado, que sabe as músicas e as coreografias de cor e salteado, e pensar que ele pensou em desistir...

Na escola do Martim, ao contrário do que passa em muitas escolas que vou conhecendo, não há um tema que seja trabalhado ao longo do anos pelas várias valências (pelo menos que seja perceptível, a notar pela pela discrepância no teor das actividades apresentadas).

Na sala do Martim, ao longo do ano, aprenderam a história de Van Gogh, por isso a escolha recaiu sobre uma peça de teatro, relacionada com isso mesmo. Ele fez de vento, a melhor rajada que alguma vez me atingiu  ;). No final quiseram dançar a música Happy, com uma coreografia, que me fazia lembrar ginástica (gostei deste pormenor, dado que sou mais adepta de coreografias, do que teatros nestas idades).

De repente dei por mim a viver um mix de emoções, orgulhosa do meu didi, pela coragem, pelo á vontade, e acima de tudo, pela capacidade de reproduzir na íntegra o que aprendeu ao longo do ano,e,  saudosa, do tempo em que era bebé,  por pensar que amanhã tudo pode mudar.



Na plateia uma espectadora muito atenta....

O coração que bate fora do peito...


O miminho que deu á educadora e auxiliares, Obrigada por o ajudarem a crescer!



quarta-feira, 23 de julho de 2014

Quero ser fútil infinitos!

Chamam-me fútil, muitas vezes, por seguir os blogs da Pipoca, por devorar os seus textos, a verdade é que aqui me confesso (não vá haver alguém que não o soubesse) que a adoro, não a invejo, mas adoro, e identifico-me muito com ela, acima de tudo, acho que faz muito bem curtir a vida e o fruto do seu trabalho. BTW tem um filho tãoooo mimoso.

A Pipoca, como mulher de sucesso que é, tem os seus "amigos" de estimação, que ,mais não são que gente com dor de cotovelo (e blogger que é blogger tem de ter, não sei porquê, meia dúzia de gatos pingados que se acha), que fazem questão de mostrar que pronto,dão-se ao trabalho de ler.

Desta vez, como em outras tantas a Pipoca chegou para eles!!!

You go girl!!!

"

Blog meu, blog meu, haverá comentador mais parvo do que o meu? #18

22.7.14
Hoje, depois de publicar as fotos da festinha do Mateus, fui brindada com o seguinte comentário:

"Não era suposto ele já andar? Só o vi a gatinhar... parece subdesenvolvido!"

Não é o primeiro comentário que esta pessoa fofinha me deixa. Nos últimos tempos, entre este blog e o outro, já deve ter deixado uma boa dúzia deles, sempre dedicados à temática "não-te-sentes-mal-por-o-Mateus-não-andar-quando-até-já-o-principezinho-de-Inglaterra-anda-e-ainda-por-cima-é-quatro-dias-mais-novo?". Tenho ignorado, mas como não podemos negar as evidências, mais vale assumi-las.


É verdade. Era suposto o Mateus já andar. Segundo o Decreto-Lei Nº 2486006901/2014 o Mateus já deveria andar. A Lei é bem específica quanto a este assunto: "toda e qualquer criancinha que complete 12 meses e ainda se limite a gatinhar pode ser considerada um ovo podre. Os pais e todo o entorno da criança devem, inclusivamente, tratá-la assim, por ovo podre. Para um tratamento mais eficaz, aconselha-se que lhe preguem também uns valentes pontapés no rabo, para garantir que se põe de pé mais depressa. Se, ainda assim, a criança insistir em arrastar-se pelo chão, não dando provas de cooperação e boa vontade, entramos então no domínio do espiritual, e aí já é preciso um exorcista que lhe tire o diabo do corpo. Em todo o caso, estamos sempre perante uma criança subdesenvolvida, já que a Lei define que o tempo limite para que se levante e ande são os 9 meses, 14 dias e duas horas.  Depois disso, é apenas considerada estúpida. E um ovo podre".

A culpa foi minha que não prestei atenção à actualização da Lei. As coisas estão sempre a mudar, uma pessoa não compra o Diário da República com a frequência com que deveria e depois, claro,não se põe a par. Li sobre o assunto quando engravidei e ia jurar que nessa altura a Lei dizia que só era suposto os miúdos andarem aos 13 meses, 19 dias e quatro horas e meia, por isso estava descansada da vida, ainda tinha algum tempinho para resolver o assunto. Mas pronto, percebe-se, estamos em crise, tem de ser tudo mais rápido, qué lá isso de ter um bebé de 12 meses que só gatinha? Na, na, na, meu menino, vamos lá a dar às pernas que há muita coisa para fazer pelo país e não podemos estar à espera que estes pequenos parasitas se decidam a andar. Era o que faltava. Na minha altura, tempos fartos e de vacas gordas, a conversa era outra. Segundo a minha mãe, tanto eu como o meu irmão só começámos a andar entre os 13 e os 14 meses. Mas aí o País nadava em dinheiro, não havia pressas, os bebés podiam fazer tudo com mais calma. Agora não.

Confesso que o comentário desta leitora me deixou triste, talvez até um pouco abatida. Eu achava que tinha um puto normal e vivaço, mas afinal é subdesenvolvido. Sacana, enganou-me bem. É verdade que, às escondidas, eu acendo velas para que ele comece a andar o mais rapidamente possível. Estou ansiosa para não ter mão nele, para não ter um segundo de descanso, para o ver a correr desvairada e violentamente contra as paredes, para o ter pela sala a varrer tudo o que está em cima dos móveis, para o levar para o hospital com a cabeça rachada, depois de se espetar contra o canto de uma mesa. São tudo coisas que eu quero muito para a minha vida, e quanto mais rápido melhor. Gatinhar não dá assim tanta adrenalina, preciso de mais. E tem de ser rápido, aparentemente, porque "era suposto" o Mateus já andar. 

E depois, claro, a comparação com o príncipe de Inglaterra, que me deixa arrasada. Que grande merda esta de ter um filho plebeu. Fosse ele da monarquia e era vê-lo, com um ano, a participar em maratonas, a comer correctamente de faca e garfo (e a saber distinguir os de carne dos de peixe), a tocar a 5ª Sinfonia de Beethoven, a falar fluentemente japonês e russo e a apanhar moscas com pauzinhos. Mas não, logo tinha de me calhar na rifa um puto que só sabe andar atrás de mim pela casa a gatinhar (parece um cão, raizopartam), que dá puns e arrotos, que às vezes se baba, que enfia as mãos na sopa, que só diz "papá" e "mamã" (papá e mãmã, tchhhh..., para que é que essa merda me serve?) e que chora. Que nojo, o miúdo chora, que coisa terceiro-mundista.

Enfim, se alguém souber de sítios para onde o possa enviar a ver se este problema do "não-andar" é resolvido, agradeço muito que partilhem. Claramente, tenho sido demasiado branda. Estava em negação, não queria acreditar que tenho um filho de 12 meses (essa enormidade de tempo) que não anda, mas está na hora de pôr fim a isto. Pancada no lombo é o que ele está a precisar. A ver se não lhe passa logo o subdesenvolvimento todo. Está na hora de acabar com isto de ter um filho feliz. O que é que interessa se é feliz se depois não anda nem faz nada de produtivo, o cabrãozinho?

Adenda #1: 
o pai da criança subdesenvolvida, depois de ler este texto, acaba de me informar que só começou a andar aos 24 meses. Escondeu-me isto durante uma vida. Tivesse eu sabido disto mais cedo e não havia boda para ninguém.

Adenda #2:
Se estupidez normal das pessoas é coisa que já me preocupa, a estupidez intencional transtorna-me. Pessoas que escolhem, deliberadamente, ser estúpidas, deixam-me a pensar que o mundo é um lugar esquisito e perigoso." in http://apipocamaisdoce.sapo.pt/2014/07/blog-meu-blog-meu-havera-comentador_22.html#more



A eterna questão de que o meu filho é melhor que o teu!!!

terça-feira, 22 de julho de 2014

Ondaparque e as memórias de infância

Muitos dos que nos acompanham, ao verem o título deste post, certamente vão ser invadidos por memórias de outros tempos, em que a Costa da Caparica tinha um parque aquático, tinha, porque neste momento, tem só um espaço excelente, uma terra do nada, que noutra altura acolheu muitas brincadeiras e gargalhadas de grandes e pequenos.

Há tempos, apanhei no facebook um grupo que recorda este marco da margem sul, e quem sabe, terá um efeito no regresso deste espaço.

Por isso, convidou-vos a fazerem gosto na página, juntos fazemos mais barulho.

Se estes parques são possíveis no Algarve, e até já no norte, porque não um aqui?







segunda-feira, 21 de julho de 2014

Domingo final de mundial e desde manhã que estava com a sensação que o dia não ia acabar sem passar nas urgências, afinal aqueles sintomas, infelizmente, já me começam a ser familiares... Perto das 20h rumámos á urgência, diagnóstico quase feito de imediato, infecção urinária em estado avançado (daí as dores no rim), medicação para cima, muita água e a garantia que no dia seguinte "estaria óptima". Seguiu-se uma noite horrível, sem quaisquer melhoras, pelo que a 2ª feira foi passada de cama e o cenário mantinha-se.
3ª feira rumámos a uma nova consulta, e novo diagnóstico, cólica renal, mais medicação, e o conselho de mais um dia de repouso, 5ª feira estaria fina...

A 5ª feira chegou, e embora não estando fina, nem lá perto, arrisquei ir trabalhar (bad decision) o dia foi mal passado contorcendo-me de dores, usando e abusando do saquinho de gel quente, sem conseguir comer, com o estomago a acusar a medicação, e um desconforto brutal. Logo que saí, rumei novamente a uma consulta, e já com o resultado das análises disponível, veio finalmente o diagnóstico (já que eu insisti que para cólica renal, estava a ser uma sortuda) pielonefrite, basicamente uma infecção urinária que afectou o rim, fui de urgência para Lisboa fazer uma ecografia, recomendou-me medicação e repouso.

Estou farta de estar em casa, as férias aproximam-se e sinto verdadeiramente falta de ir trabalhar.

Amanhã será outro dia...

sábado, 19 de julho de 2014

Estranha forma de vida

Doente que estou, ontem passei o dia em repouso em casa, hoje acordo abro as portadas e percebo que chegámos ao Outono!!!



terça-feira, 15 de julho de 2014

Diz-me o que calças...

E falo-te na OKAA!


A Okaa é uma marca de calçado infantil espanhola, com os meus modelos favoritos, e que em Portugal, para o Martim, já me tem sido dificil encontrar (pelo tamanho que ele usa actualmente).


Fazem envios para Portugal, com portes gratuitos (a partir de 9€) e em 24h/48h. Em caso de dúvidas nos tamanhos a encomendar, a marca disponibiliza as medidas em centímetros, do interior e do exterior do modelo para tornar a encomenda mais fácil.


Calçado com design, qualidade e a preços muitos em conta.




segunda-feira, 14 de julho de 2014

Dilemas da maternidade

A melhor decisão a ser tomada, mãe que é Mãe não escolhe um filho em detrimento de outro... :p

Let´s talk about... SALDOS

Arranca amanhã oficialmente a época de saldos, embora muitas lojas já estejam com promoções desde o início do mês ou antes até!

Este é um assunto que se fala muito, é um assunto sobre o qual não me canso de ler, ou de falar, e portanto vale sempre a pena recordar, até porque, eu pessoalmente, acho que a máxima do "ninguém dá nada a ninguém" nem sempre se adequada a esta época do ano, e sim, tanto eu, como amigas, já fizemos excelentes compras em saldos!

É sempre possível fazermos boas compras, mas acima de tudo é fundamental, fazer compras conscientes. Não podemos deixar que a euforia dos preços baixos se sobreponha, ao que precisamos, e, acima de tudo, que se sobreponha, ao que nos fica, verdadeiramente bem.

O primeiro conselho é vestir roupa confortável, calçado incluído, para esta incursão nos preços baixos. Não podemos esquecer que existe a possibilidade de palmilhar terra e meia, com cabides nos braços, experimentando mil e um modelos diferentes (ahhh o paraíso), assim, a minha escolha, para estes momentos tão importantes na minha vida (futilidade a vir ao de cima com toda a força) é usar um vestido, simples, e que seja prático de vestir e despir; o calçado, deve ser confortável, preferencialmente saltos rasos/sabrinas/sandálias, se bem que também haverá por aí quem se sinta melhor em cima de plataformas ou sapatos de saldos, mas a minha opinião, recai, e aproveitando as tendências, num tipo de calçado mais descontraído;  por último a mala, preferencialmente de tiracolo que nos mantenha os braços e mãos livres para a "nossa actividade"

Mango
Mango
Paez by umpoucodetudo

Preparadas  e á altura do acontecimento, analisemos então as compras em si. Para mim, boas compras são aquelas que consigo com descontos de pelo menos 50% (atenção ás publicidades de "até 50%" não é exactamente o mesmo e por vezes, a poupança é quase nula), para isso é importante definir um orçamento e sermos-lhe fiel.  No caso de já termos peças debaixo de olho, podemos estabelecer também um limite máximo a dar pela peça, considerando que a estivemos a namorar a estação inteira...

Ainda no âmbito da planificação, vejam-se livres de tudo o que pretendem substituir nos saldos, e façam um balanço do ano que vem, no sentido de perceberem se vão ter eventos que necessitem de outfits adequados ( casamentos/baptizados), nada melhor que nos vestirmos bem a preços baixos! E se nem sempre conseguirmos comprar a roupa, podemos sempre olhar para os acessórios.


A melhor altura para irem ás lojas é de manhã, quando ainda está tudo arrumado, e longe dos remoinhos de roupa, tão característicos de algumas lojas, nestas alturas particulares do ano.


Na recta final dos saldos, e se te mantiveres dentro do teu orçamento inicial, esta é a altura ideal para te desgraçares, e comprares aqueles artigos, não muito importantes mas que mesmo assim, te alimentam o ego!!!



Podia continuar aqui um sem número de conselhos, nomeadamente até das pessoas que todos os closets deveriam ter, mas iria afastar-me do tema principal. Falei-vos das dicas que uso, nas minhas verdadeiras aventuras pelos saldos, tão bem conhecidas, por quem lida de perto comigo. É assim que faço a gestão do closet cá de casa, mesmo que isso implique por vezes estar uma estação inteira á espera que o preço de um determinado artigo desça, para que possa chamá-lo MINE!!


Aproveitem os saldos, sejam racionais, e divirtam-se!







SOS férias

Com a aproximação das férias, e não só para quem tem filhotes, mas também, fica a dica de um soro de rehidratação, home made, recomendado pela OMS

Ferver 1 litro de água, juntar 2 colheres de sopa de açúcar e 1 colher de sopa de sal.






quinta-feira, 10 de julho de 2014

Melhor maneira de começar uma noite de Verão ( desculpem nao me habituo ao acordo)

Diz que foi uma espécie de blind date

Há dias embarquei numa aventura que antigamente, para mim seria impensável, vestir-me e sair á aventura... Sem saber onde ia, com quem ia estar, o que ia fazer.. nada!


(quem me conhece, sabe bem o drama que esta ideia podia trazer na minha vidinha)


Depois de alguma ginástica (já alguem vos disse que mota e saia não jogam muito bem?), rumámos a uma zona de Lisboa que adoro, o Chiado, e de repente surge o convite para entrar no elevador (daqueles assustadores) de um parque de estacionamento, último piso, tudo escuro e uma mão que me guia no meio dos lugares, carros, motas.... subimos mais um piso a pé, e literalmente ao virar da esquina, a cidade aos meus pés...


Já estava eu pasmada, quando oiço "ainda não viste nada" e novamente, ao virar da esquina



O melhor por do sol da cidade...



Fiquei completamente rendida, e as horas que lá estivémos pareceram, literalmente, minutos... Saimos porque a surpresa continuava...



Sempre a pé descemos até ao Mercado da Ribeira, desde que abriu que andava ansiosa para lá ir, e por isso, este foi, no entender da minha companhia, um sitio de paragem obrigatória.





O espaço em si é giro, o conceito original, e sem dúvida veio dar vida a uma zona que há muito precisava de ser requalificada.



Ficou a promessa de voltarmos com o filho e com uns amigos, de nos sentarmos por ali a comer fatias de pizza com as mãos, e a deixá-los absorver o ambiente que por ali se vive!

Clock was ticking e partimo para a próxima e última fase... (esta então só mesmo vendada)


Bora ao Intendente... (medo, muito medo)



O ano passado estivémos lá a ver um concerto, e como a época coincidia, pensei que iamos ver alguma actuação, mas mais uma vez, aquela mão que me conforta, pegou na minha e guiou-me pelas escadas acima da Casa Independente e mais uma vez, fiquei de queixo caído, um espaço boémio, com adultos e crianças á mistura, cosy, agradável e muito minimalista, sem dúvida, uma espécie de colectividade dos tempos modernos, cosmopolita.


A decoração é brutal, aproveitando mobiliário antigo, têm cómodas a fazer de balcões, mesas de refeição, iguais ás que os nossos pais têm em casa... just feels like home.






Adorei tudo, principalmente o deixar-me levar á descoberta... sem dúvida elevaste a fasquia, conseguirei eu surpreender-te? ;)